Skip to main content

O derrube da ditadura em Portugal, a 25 de Abril de 1974, instalou no país um clima de celebração. Esta festa da liberdade – e em liberdade – viveu-se de norte a sul do país, traduzindo-se numa autêntica explosão de criatividade artística e de ativismo político, que tem (e mantém) como ícone a pintura mural.

Pintados em diversos espaços públicos, os murais transformaram-se, nos anos da Revolução, num veículo de comunicação. Por serem de acesso fácil e por terem um amplo alcance, foram o canal escolhido, nomeadamente, por partidos de todo o espectro ideológico, por ativistas e por artistas para veicular mensagens políticas, sociais e culturais.

Os murais exibiam mensagens contra a ditadura do Estado Novo, de celebração da liberdade, de apelo à solidariedade entre o povo português, nos diferentes grupos sociais e políticos. As composições incluíam, entre outras, imagens simbólicas, slogans políticos ou retratos de figuras históricas e políticas relevantes. Estas intervenções no espaço público tornaram-se uma forma de mobilização e consciencialização popular significativa, dado que no Portugal desta época o analfabetismo era superior a 20% (em 1970, 25,7% dos portugueses não sabiam ler nem escrever, o que equivalia a 1,8 milhões de pessoas).

Um dos momentos marcantes das manifestações culturais pós-25 de Abril é o Painel do Mercado do Povo, um mural coletivo pintado em Lisboa a 10 de junho de 1974. A iniciativa foi promovida pelo Movimento Democrático dos Artistas Plásticos (MDAP), do qual fizeram parte nomes como João Abel Manta, Júlio Pomar e Carlos Calvet.

50 anos depois do 25 de Abril, a pintura mural mantém-se ligada ao período da Revolução. Por todo o país, inúmeros projetos tiram partido do espaço público para evocar o legado do momento fundador da democracia portuguesa e trazê-lo para o presente.

Com base em conversas, troca de vivências e de histórias, transpõe estas reflexões e pontos de vista para imagens gráficas murais. Os participantes, além de terem a oportunidade de participar em diferentes oficinas artísticas, são autores da pintura mural.

A iniciativa, que conta com o apoio dos Municípios e da Comissão Comemorativa 50 anos 25 de Abril, esteve já presente em Leiria. Passará também por Serpa e por Viana do Castelo.

Fotografias de Gil Lemos | Município de Leiria

O Centro Artístico- A Casa ao Lado -nasce em 2005, em Vila Nova de Famalicão, pelo traço dos artistas plásticos Joana Brito e Ricardo Miranda.

O Centro Artístico – A Casa ao Lado tem como missão a Dinamização Social e Cultural com e para a Comunidade através de uma Educação Artística, Inclusão Social através da Arte e Intervenções Urbanas. Desde o seu início em 2005, todos os projetos têm como base gráfica, histórias, lendas e/ou personalidades nos locais a intervir, de forma a criar uma marca identitária, de coesão social e territorial.

SABER MAIS

Este projeto visa criar, ao longo do ano de 2024, uma série de 14 murais em diferentes cidades do país, representando temas marcantes relacionados com a Revolução dos Cravos e com a sua herança histórica. Estes murais constituirão um roteiro artístico nacional, para evocação e promoção dos valores da democracia e da liberdade, e para a dinamização cultural e turística. É dinamizado pela dupla Ruído, com o apoio do Turismo de Portugal e está integrado nas Comemorações dos 50 anos do 25 de Abril. Em cada mural, serão destacados temas e acontecimentos que desempenharam papéis significativos na transição e consolidação da democracia. Cada mural será uma homenagem aos feitos que moldaram o país.

É dinamizado pela dupla Ruído, com o apoio do Turismo de Portugal e está integrado nas Comemorações dos 50 anos do 25 de Abril.

Em cada mural, serão destacados temas e acontecimentos que desempenharam papéis significativos na transição e consolidação da democracia. Cada mural será uma homenagem aos feitos que moldaram o país.

Sobre o projeto criativo «Ruído»

Ruído é um projeto criativo composto pelos artistas portugueses Draw (Frederico Soares Campos n. 1988) e Alma (Rodrigo Guinea Gonçalves n. 1984), ambos com percursos vincados pelo graffiti e pela arte urbana. Incorpora uma colaboração artística que interliga um universo figurativo e profundamente humano com uma abordagem abstrata, geométrica e textural. O resultado é um trabalho único e reconhecível, dando vida a composições que exercem um forte impacto no espaço onde se inserem e que criam ligações multifacetadas com o observador.

SABER MAIS

«Lápis azul nunca mais», São João da Madeira

Durante o regime do Estado Novo em Portugal, o «Lápis Azul» era o símbolo da censura imposta pelo governo sobre a produção cultural e artística. Era usado para assinalar partes de textos consideradas inaceitáveis pelo regime, principalmente aquelas que poderiam ser interpretadas como críticas ao governo ou à ideologia vigente. Com o 25 de Abril de 1974 e a consequente queda do regime autoritário, a censura foi abolida, dando lugar a um ambiente de liberdade de expressão sem precedentes. O fim da censura permitiu que as vozes antes silenciadas pudessem ser ouvidas, possibilitando a expressão livre de ideias, opiniões e críticas.

«Manifestações Populares», Bragança

As manifestações populares refletem uma profunda reverberação do fervor cívico e do apoio popular ao Movimento das Forças Armadas (MFA), que desencadeou a Revolução dos Cravos em 25 de abril de 1974. Em várias partes de Portugal o povo expressou um desejo ardente por liberdade, democracia e gratidão às Forças Armadas e à Junta de Salvação Nacional, o órgão de governo provisório instituído pelo MFA quando derrubou a ditadura.

Essas manifestações não apenas representaram a adesão popular ao movimento revolucionário, mas também evidenciaram o papel ativo da sociedade civil na busca por mudanças políticas e sociais. Os diversos setores da sociedade, desde estudantes até trabalhadores e democratas, uniram-se em um clamor uníssono por um Portugal livre e democrático.

Ao destacar a importância das manifestações populares em Bragança, podemos entender melhor como o apoio da população foi fundamental para consolidar os ideais da Revolução dos Cravos e pavimentar o caminho para a democracia em Portugal. Esses eventos ilustram o poder transformador das massas e a capacidade de um povo em moldar o curso da história através de sua mobilização e engajamento político.

Capa Oficial do Evento Murais de Liberdade – Vila Franca de Xira
30/6/2024 - 6/7/2024
Capa Oficial do Evento Murais de Liberdade – Castelo de Vide
23/6/2024 - 29/6/2024
Capa Oficial do Evento Murais de Liberdade - Vendas Novas
17/6/2024 - 22/6/2024
Capa do Evento Pintura Mural sobre Sustentabilidade
9/6/2024
Capa do Evento Atenas: Mural do 25 de Abril e de Politechnio
25/4/2024
7.ª Escola de Ensino Secundário de Chalandri, Atenas Grécia, Atenas
Capa Oficial do Evento Inauguração do Mural de Homenagem à Crise Académica de 1969 e a Alberto Martins
17/4/2024
Parede localizada na Rua Padre António Vieira em frente ao Edificio Sede da Associação Académica de Coimbra, Coimbra Coimbra
Capa do Evento Inauguração do Mural alusivo aos 50 anos do 25 de abril de 1974
5/4/2024
Capa Oficial do Evento Mural comemorativo do 25 de Abril
1/4/2024 - 24/4/2024
10/6/2022

#50anos25abril